Não basta abrir a janela

 

Hai algún tempo que teño esta foto gardada. Hoxe, lendo Pessoa veume á memoria

 

XanelaNão basta abrir a janela

Para ver os campos e o rio.

Não é bastante não ser cego

Para ver as árvores e as flores.

É preciso também não ter filosofia nenhuma.

Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.

Há só cada um de nós, como uma cave.

Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;

E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,

Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.

(Alberto Caeiro)

Deixa unha resposta

O teu enderezo electrónico non se publicará Os campos obrigatorios están marcados con *